Somos Tão Jovens

    Somos tão Jovens

    Somos tão Jovens

    Você conhece o mito. Agora conheça a história.
    1 h 47 min
    Metadata
    Título Somos tão Jovens
    Título Original Somos tão Jovens
    Diretor Antonio Carlos da Fontoura
    Tempo de Filme 1 h 47 min
    Data de Lançamento 3 de maio de 2013
    País  Brazil
    Orçamento
    Receita

     

    A resenha do filme Somos Tão Jovens foi escrita por Marcelo Molinari (blog)

    Fui enganado pelo trailer de Somos tão jovens. Não gostei muito do trailer e fui ver o filme com algum preconceito. Acabei surpreso com o resultado. Embora o filme não seja perfeito, ele apresenta uma narrativa sólida que obriga o espectador a pensar.

    Somos tão jovens mostra a história de Renato Russo. O caminho mais fácil para contar a história seria realizar um filme biográfico padrão, contando o começo, meio e fim da vida do compositor. Flashes de sua infância, os conflitos do sucesso, ascensão e queda, problemas com drogas. O espectador comum esperava isto, um apanhado geral da carreira de Renato Russo e a Legião Urbana. Li muitas críticas negativas acerca do filme por parte dos espectadores. Muitas pessoas saíram do cinema com a sensação de não ter compreendido nada. De fato, para quem não conhece um pouco sobre a cena roqueira inicial de Brasília, vai acabar muito confuso. Não sei qual era o objetivo da produção do filme, mas de fato o filme não é didático.

    Somos tao Jovens

    O diretor escolheu realizar um recorte e preferiu focar-se na juventude de Renato Russo. Um bom conceito, que permite compreender melhor uma face da vida do artista. Percebemos quem era Renato Russo através de cenas espalhadas de sua vida, cenas que deverão ser somadas pelo próprio espectador. O filme joga os dados e pede para que o espectador pense sobre Renato Russo e tire suas próprias conclusões. Não acho que exista mitificação do cantor neste filme, ele é apresentado de uma maneira livre e aberta. Gostei do ritmo leve da narrativa, que não joga na cara do espectador quem é Renato Russo. Seria muito fácil transformá-lo em um artista controverso e apaixonado, com conflitos com drogas ou homossexualidade. O diretor preferiu suavizar este lado e mostrar a vida de Renato Russo a partir da própria vida ao invés de somente focar em seus dramas. O cantor é mostrado como um ser humano, sem ser julgado.

    Somos tão jovens apresenta um roteiro razoável. Um pouco exagerado em alguns momentos, mas que não prejudica o filme. Gostei muito da atuação de Thiago Mendonça. Conseguiu segurar muito bem um papel difícil e foi capaz de apresenta um Renato Russo plausível e comedido. Outros personagens como Dinho Ouro Preto, Fê Lemos e Herbert Vianna poderia ter sido trabalhados um pouco melhor. Para quem for ver o filme, não seria uma má ideia ver o documentário Rock Brasília – Era de Ouro antes, acredito que muitas coisas mostradas em Somos tão jovens ficariam mais claras.

    O filme dramatiza um bom momento do rock brasileiro. Mesmo para quem não gosta tanto de Legião Urbana, como é o meu caso, vai poder visualizar como o movimento punk e depois o pós-punk estavam muito vivos em Brasília do começo dos anos 80. Somos tão jovens é um bom convite para questionarmos o que é o rock brasileiro e a própria cultura brasileira. Vivemos em um universo cinematográfico dominado principalmente por filmes estrangeiros e por vezes ficamos presos a este mundo e suas questões. É bom ver um filme mais próximo de nós, Legião Urbana, Capital Inicial, Plebe Rude são bandas de peso que continuam a influenciar. Somos tão jovens pode não ser perfeito, mas apresenta uma narrativa bem feita e questionadora.

    Trailer do Filme Somos tao Jovens

    http://www.youtube.com/watch?v=9_pgN0sTmrY

    Outras críticas de filmes que podem te interessar

    6 Comentários

    1. junior

      kkkkkk Q bosta de filme ashuashuashuashuashuashuashua

    2. Mauricio Nogueira da Silveira

      O roteiro do filme é uma livre adaptação sobre a vida de Renato Russo,portanto,ficamos sem saber se determinados fatos presentes no filme são reais ou ficção.

    3. Augusto

      Como alguém pode gostar de um filme tão chato? O básico para uma biografia é ter personagens fies a realidade do biografado, coisa que não aconteceu. Desde quando tirar uma faceta de Renato Russo, no caso sua homossexualidade, faz do filme mais suave? Só pode torna-lo mera ridicularidade, para um publico hipócrita.

    4. Lais

      O que pouca gente sabe é que o foco do filme não é contar e focar na vida ou na homoxesualidade do Renato Russo. A família dele, aliais, a mãe dele é extremamente conservadora e quis guardar a memória do filho (o que eu não acho errado). E se a pessoa ver esse filme com um pouco de olho critico perceberá que o filme não é a historia do Renato Russo, sim é ele é o primeiro plano. Mas não, o filme não é sobre a vida dele. O filme conta a historia das dificuldades encontradas nos anos 80, o começo do aborto elétrico e onde a Legião Urbana começou.
      Falta do povo mais informação. E pra mim que sou fã o filme foi extremamente excelente. Ele não crucificou nem tornou santo o Renato Russo, muito pelo contrario, me tirou dúvidas sobre o começo da banda.

    Postar seus comentários